Objectivo do Blog

Sou mãe de uma menina que nasceu em Dezembro de 2009, o meu maior tesouro!
A minha filha apresenta comportamentos um pouco diferentes do comum para a idade, compatíveis com a Perturbação do Espectro Autista.

Este blog tem como objectivo a troca de informações com pais que estejam em situação semelhante.
Juntos encontraremos mais respostas pras nossas dúvidas e poderemos obter uma ideia melhor da evolução esperada para cada caso. Participem!

13 de abril de 2012

mas... nem tudo corre bem...

Hoje estou em baixo... só consegui dormir uma horita, estou com uma crise de ansiedade como não tinha há muito tempo (a última foi depois do meu irmão ter tido um acidente e pouco depois ter ido para o Afeganistão, acompanhei tudo com uma calma e uma lucidez de ferro, os meus pais e irmã atrofiam-se todos em situações destas e acabo por ser eu a “vítima” ... na hora sou forte, trato de tudo... passado algum tempo vêm os efeitos colaterais, começo a sentir falta de ar, não consigo dormir de noite e ando a morrer de sono de dia, fico uma Madalena chorona por tudo e por nada, sem paciência, sem apetite, com dores de cabeça, etc etc, isto dia-após-dia-após-dia... mas passa...

O cansaço acumulado das últimas otítes, amigdalites e outras ites, a insegurança no emprego etc e tal finalmente estão a deixar mazelas, já há três noites que quase não durmo e esta noite só pensava na Ressonância, na anestesia, no resultado do exame, na consulta de pedopsiquiatria marcada para o mesmo dia da ressonância, se a piolhita iria estar já totalmente recuperada na hora da consulta...Pensei na roupa que lhe poderia vestir, que tinha que levar comida porque provavelmente íamos ficar quase o dia todo no Hospital... enfim...
Fui comer porque não consigo dormir se sentir fome... mas nada... ainda ponderei ir passar a ferro, mas assim é que não dormia e era pior...
Optei por voltar prá cama mas não me saiam da cabeça as cenas que se tinham passado nesse dia - ainda ouvia a coleguinha da minha filha toda feliz a contar à mãe que a educadora lhe tinha pintado as unhas e que esperou que secassem etc etc etc etc etc... e que a minha filha nem sequer consegue responder à pergunta "quem te pintou as unhas?foi a S., foi?"...
Que as pessoas se metem com ela e, ao contrário dos coleguinhas que já vão respondendo uma ou outra coisa, a minha filha nem prás pessoas olha quanto mais dar respostas...

Estou em baixo... mas vai passar...





9 comentários:

  1. As doenças são muito cansativas mas passam...As melhoras!
    ressonância, anestesia? O que vai fazer?
    Evito ao máximo comparações mas por vezes é muito dificil...deprimente até! Eu tento sempre relativizar mas sei que é difícil... FORÇA!
    Bjs
    Catarina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada pelo apoio :)
      já coloquei o post que explica o porquê da ressonância, faltavam-me as fotos.
      vá dando notícias do seu menino.
      beijinhos

      Eliminar
    2. Já vi o post, a sua piolha é linda, tem uns olhos lindos! O meu também é lindo (sou suspeita, mas é verdade) e também tem os olhos claros! Espero que corra tudo bem e percebo bem a preocupação com a anestesia geral.
      O meu pequenino tem andado bem, a terapeuta ocupacional acha que ele tem tido uma evolução positiva, nós também mas sabemos que ainda temos muito trabalho pela frente. A fala continua muito difícil mas pelo menos já tenta dizer as vogais quando canta a musica "começou no A", esta é a ultima fixação, as vogais... A música sempre adorou!
      Beijinhos
      Catarina

      Eliminar
  2. Eu sei que é difícil ouvir e fazê-lo mas calma. Tens de tratar de ti e estares bem para poderes transmitir tudo isso à tua piolha porque, se ela for como as minhas, sabe perfeitamente quando andas bem ou mal e, inconscientemente, imita-te... As minhas sempre foram muito sensoriais e muito sensíveis a isso e, quando andam mais agitadas, apercebo-me de que está a minha mão por trás (ou ando muito cansada ou em baixo, ou demasiado elétrica, etc e isso, quer queira quer não, "pega-se").
    Não tens que ter medo nem receio de falar dessas questões ao teu médico e nem podes encara o facto de te receitarem medicação como algo eterno. Interessa que te ajude a sentir bem, nas piores alturas, para poderes estar bem com a piolha.

    Não há nada mais frustrante do que a comparação, ainda que sem querer, com outras crianças... Sabemos logo ver o que está errado com as nossas... Ainda ontem tive reunião com a psicóloga da ANIP e foi terrível. A reuniuão ocrreu bem, vimos muitos aspetos positivos das piolhas mas o caminho ainda é tão longo e tão sinuoso e há tanta coisa que já deveriam ter adquirido aos 4 anos e estão a caminho dos 5 e ainda nada... Não é fácil e ensombra-nos mas temos que o deixar ser apenas momentaneamente e depois seguir em frente. Por nós e pelas nossas piolhas.

    Desde há algum tempo que tento evitar que se metam com as minhas piolhas. Soa a anti social mas evita-me uma série de transtornos, como "traduzir" o que elas dizem, explicar o porquê de falarem de forma tão diferente de outras crianças, de responder a perguntas parvas e das associações de desenvolvimento com o facto de serem gémeas. Faço o meu sorriso amarelo postiço nº3 e balbucio qualquer coisa como "estamos com pressa" e "não dá trabalho, é um trabalho em série" e nem as deixo falar e sigo. Não tenho tempo nem cabeça nem espírito para estar a lidar com isto. As pessoas ainda desconhecem em que consiste o autismo, muitas pensam que se pegam outras dizem que vai passar, outras dizem que estou louca porque as piolhas são lindas... Dá para perceber o que nos rodeia. Não me sinto na obrigação de me explicar de cada vez que me abordam.

    Desejo-te muita força e que essa nuvem negra e chata passe rápido. Estou aqui para o que for preciso.

    beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, obrigada pelas suas palavras, do fundo do coração!
      Eu tento não fazer comparações, mas é difícil. A minha filha está numa IPSS que tem educadoras absolutamente fantásticas, daquelas que organizam actividades para pais e filhos ao fim de semana (por amor à camisola)e claro, eu tento nunca falhar, porque acho que lhe fazem bem, ajudam na socialização, mas por outro lado... vejo os coleguinhas dela... e vejo alguns pais a "reparar" nas atitudes da minha filha... mas não ir está fora de questão porque ela precisa aprender a conviver e a relacionar-se com os outros...
      Adorei o "sorriso amarelo postiço n.º 3"... o meu marido já me disse que temos que adoptar esse método!

      Eliminar
  3. Muito bem dito, mamã T2 para T4! (desculpem estar a utilizar o blog como forum)
    Penso que ter o filho com diferenças não é fácil e vamos passando por várias fases. Eu acho que aceitei bem o diagnóstico pois andava preocupada há muito tempo e ter mais informação sobre o autismo (os blogs ajudaram-me muito) deixou-me de certa forma mais tranquila. Também não tenho paciência e sou um pouco anti-social, pois dou por mim a esconder-me/evitar algumas pessoas no supermercado, por exemplo, ou a dizer que estou com pressa. Digo que o meu filho é "pouco simpático" e "preguiçoso para falar", já me apercebi da ignorância e preconceito sobre o tema do autismo e irrita-me muito que me digam que eu é que sou ansiosa pois ele é "espectacular" (família do pai), desisti de tentar explicar pelo menos pessoalmente agora envio informação sobre o tema por e-mail.
    Beijos para as duas.
    Catarina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente o que se passa comigo, não tenho cabeça pra explicar que ela poderá ter autismo e em que consiste... "ela hoje acordou mal disposta" e siga...

      Eliminar
  4. A falta de sono é a pior coisa que pode acontecer... Eu bati mesmo no fundo e estive péssima precisamente por não ter dormido dias a fio. Conselho: Ir já a um psiquiatra e pedir ajuda. Tomar um anti-depressivo durante uns tempos ou algo para dormir à noite. Acredita, não vai fazer mal nenhum nem vais ficar "agarrada". Eu tomei e quando me passou deixei de tomar e pronto. Quando estamos neste estado é muito difícil não nos deixarmos arrastar e depois a conversa do "Tens que ser forte, o teu filho precisa de ti" só me deixava ainda mais deprimida, com sentimento de culpa pois não conseguia reagir e levantar-me por ele... Esquece tudo isso e pensa agora em ti. Não faz mal nenhum pedirmos ajuda e tomar medicação quando se justifica.

    Acredita, que se não tivesse sido a medicação talvez tivesse cometido alguma loucura naquele momento... Estar dias a fio sem dormir dá cabo de nós e deixamos de pensar com lucidez e torna-se um ciclo vicioso.

    Se precisares de alguma coisa estou aqui.

    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Olá Rainbow
    sim acho que não me vou safar sem um anti-depressivo... porque não estou mesmo a conseguir dormir... que raiva...
    pra já estou a tomar um tranquilizante daqueles homeopáticos... pra ver se arrebito ao ponto de conseguir ir à minha médica sem me desfazer a chorar... detesto querer falar e não me conseguir conter.
    beijinhos e obrigada pelo apoio

    ResponderEliminar